quinta-feira, 24 de junho de 2010

Estuário do Tejo: Contributos da natureza...

Descubra a biodiversidade que o estuário do Tejo nos oferece:
video
O vídeo foi-nos cedido pelo Professor Doutor Henrique Pereira
Cientistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, revelaram que bastam 20 minutos de contacto com a natureza para repor a energia e aumentar os níveis de vitalidade.
Segundo os investigadores, a sensação de bem-estar vai muito além dos efeitos físicos e da interacção social associados a este tipo de relação com o mundo natural. Como referiu Richard Ryan, autor do estudo e professor de Psicologia, "A natureza é um combustível para a alma", acrescentando: "Muitas vezes tomamos um café quando nos sentimos esgotados, mas a melhor maneira de recuperar energias é através de uma maior proximidade com a natureza".
Na investigação, que decorreu em cinco ambientes diferentes, foram envolvidos 537 universitários. Alguns foram colocados em contextos reais, tendo sido levados para locais arborizados, perto de rios. Outros foram expostos a fotografias de edifícios e de paisagens, enquanto aos elementos de um terceiro grupo foi pedido que se imaginassem em diversas situações, com vidas activas e sedentárias, inseridos na natureza e na cidade, com e sem outras pessoas. Os resultados mostraram que as pessoas que se sentiam com mais energia e boa disposição foram as que estiveram, ao longo do dia, em contacto com ambientes naturais, reais ou imaginários. Ainda assim, os investigadores terem verificado que aqueles participantes que estiveram, de facto, em contacto com as árvores e com a relva foram os que revelaram maiores ganhos de energia em relação aos restantes grupos.

domingo, 20 de junho de 2010

Pastilhas elásticas e as aves...


Imagem do Site Aves de Portugal

Embrulha as pastilhas elásticas  antes de as deitares fora.

Hoje mastigar um pastilha elástica é um hábito da maior parte de nós, independentemente da faixa etária. E o que fazemos quando esta perde o sabor?
É aqui que alertamos para que  a mesma seja embrulhada num pedaço de papel, antes de ir para o lixo. Nunca a deite para o chão.
Os pássaros, a


traídos pelo cheiro adocicado e pelo sabor de fruta, começam a comer restos de pastilhas deixados irresponsavelmente por aí. Ao sentirem a pastilha a colar o seu bico, tentam desesperados retirá-la com as suas patinhas. Então, acontece o pior, as aves acabam por morrer.

Quando deitar fora uma pastilha elástica, deve embrulhar-se num pedaço de papel e colocá-la no lixo. Só assim vamos evitar que o pior aconteça a estas delicadas criaturas


Além disso, não atirar lixo de qualquer espécie no chão é um acto de civismo e responsabilidade ecológica!

Contribua!  Porque é nos  ecogestos que se pode fazer a diferença.
Informação recebida por e-mail!

terça-feira, 15 de junho de 2010

Olhares da Biodiversidade: exposição em Monsanto

Maria Santos, no Dia Mundial do Ambiente, em representação da Lisboa E-Nova, acompanhou o Senhor Vereador Dr. Sá Fernandes na inauguração da Exposição "Olhares da Biodiversidade", que está patente no Espaço Monsanto.

A Exposição...
O lançamento de um pato-real que s eencontrava no Centro de Recuperação pelo Sr. Vereador Dr. Sá Fernandes

e o pato-real de novo na natureza, disfrutando da biodiversidade

domingo, 13 de junho de 2010

Jacarandás de Lisboa

«No meio desta ansiedade, uma notícia ajuda a dormir em paz. Uma só certeza: a de que os jacarandás voltaram! Esta semana, apesar da seca e mau grado o clima errático, que provocaram um estado vegetativo desequilibrado, os jacarandás floriram. Nas Trinas e nas Praças, na D. Carlos I e no Salitre, na Burra e em Belém, apareceram, tímidos e frágeis. Já não era sem tempo. Lisboa precisa de cor. Isto precisa de esperança.»
António Barreto (Publico, 15-05-05)
Guia das 25 árvores de Lisboa, CML, 2005
Segundo dados da CML existem mais de 600.000 árvores em Lisboa. "Árvores com diferentes tamanhos, cores e formatos, pertencentes a 200 espécies diferentes, cada uma com as suas características e o seu valor. Algumas dessas espécies são autóctones e outras vieram de outras regiões do mundo, mas todas se adaptam pior ou melhor ao clima da cidade" In Guia ilustrado de vinte e cinco árvores de Lisboa, CML, 2005). Eis um bom guia para  a CML de Lisboa disponibilizar em pdf
Porque os jacarandás  floriram e coloriram a cidade, hoje falo apenas dessa harmoniosa árvore que encantam muitos de nós.
O jacarandá que existe nas ruas de Lisboa é o jacaranda mimosifolia e pertence à família das  bignoniáceas, sendo originário do Brasil.
Curiosidades:
  • É uma das poucas árvores a ter o mesmo nome comum em quase todos os idiomas do mundo;
  • Tem dois nomes científicos porque em 1822 foi identificado por duas pessoas que lhe deram nomes científicos diferentes:  jacaranda mimosifolia e  jacaranda rotundifolia;
  • os frutos lembram castanholas, mas quando amadurecem porque é que em francês esta árvore também tem o nome de árvore das ostras.
Onde encontrá-las?
Faça um passeio a pé pela cidade, fotografe e envie-nos fotos...
Jacarandás na Rua Rodrigo da Fonseca
E porque os jacarandás também inspiram os poetas...
AOS JACARANDÁS DE LISBOA, Eugénio de Andrade
São eles que anunciam o verão.
Não sei doutra glória, doutro
paraíso: à sua entrada os jacarandás
estão em flor, um de cada lado.
E um sorriso, tranquila morada,
à minha espera.
O espaço a toda a roda
multiplica os seus espelhos, abre
varandas para o mar.
É como nos sonhos mais pueris:
posso voar quase rente
às nuvens altas – irmão dos pássaros –,perder-me no ar.
"Em meados de Junho os jacarandás de Lisboa estão em flor, a sua luz fende a pupila, acaricia o dorso da sombra. É então que – sei lá se pela última vez – a inocência volta a entrar na minha vida. Olhos, mãos, alma, tudo é novo – recomeço a prodigalizar alegria, uma alegria que não procura palavras porque o seu reino não é o da expressão. Digamos que esta nova experiência, a que não quero dar nome, não se preocupa em interrogar, talvez por já não ser tempo de dúvidas, ou então por não lhe dizerem respeito essas verdades últimas, cegas como facas.
Eugénio de Andrade . "Vertentes do Olhar" (1987)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Um instante sobre a aventura humana e a biodiversidade

Drª Ana Gomes e Drª Cristina Vieira
Drª Maria Santos
No dia 20 de Maio o Ponto de Encontro da Lisboa E-Nova foi dedicado à biodiversidade e teve como oradores as doutoras  Ana Amado  e Cristina Vieira (ICNB – Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade e a doutora Maria Santos (Lisboa E-Nova) como moderadora.
A sessão do Ponto de Encontro teve os seguintes objectivos:
- Percorrer, no essencial, o passado e o presente para permitir maior segurança na visão que deve suportar as decisões que têm de ser tomadas hoje;
- Compreender por que são imperiosas as políticas de conservação da natureza para as sociedades actuais e suas economias e por que devem fazer parte de uma resposta integrada da sociedade;
- Sintetizar, muito sumariamente, o papel dos principais instrumentos de retaguarda existentes e quais os seus objectivos no contexto abordado;
- Contribuir para um nível mais elevado de consciência que crie condições para uma actuação pró-activa na sociedade e que impossibilite a decadência e violência generalizada inerentes a atitudes passivas e reactivas;
- Despertar o interesse por alguns seres que vivem na cidade e com os quais co-habitamos, lutamos ou favorecemos.
Leia o relatório completo:
RelatorioPE_biodiversidade

terça-feira, 8 de junho de 2010

Uma foto, um olhar sobre a Biodiversidade

O Paulo Carocinho envio-nos esta foto, recolhida na acção anual de limpeza da costa "Costa Viva" nas dunas da praia de Santa Rita.
 Eis o seu olhar sobre a biodiversidade...

Exposição: Era Uma Vez a Terra...

EXPOSIÇÃO “Era uma vez a Terra…”: 
No âmbito do Protocolo de Cooperação, celebrado entre a Lisboa E-Nova e a Comissão Nacional da UNESCO (CNU), a Agência Municipal de Energia e Ambiente de Lisboa (Lisboa E-Nova), em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a colaboração dos respectivos Serviços Especializados da CML, coordenam e promovem a itinerância desta Exposição (Organizada no contexto do Ano Internacional do Planeta Terra, sob a égide da CNU), no Município de Lisboa.
Esta Exposição, cujas temáticas (Águas subterrâneas; Riscos Naturais: A Terra e a Saúde; Mudanças Climáticas; Recursos Naturais; Megacidades; O Interior da Terra; Oceanos; Solos; A Terra e a Vida.) poderão ser aprofundadas, com a participação de membros do Comité Científico do Planeta Terra, do Comité do Ano Internacional da Biodiversidade - 2010 e, naturalmente, especialistas indicados pelos nossos Associados, entre outros, estará patente em Lisboa, nos meses de Outubro e Novembro.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Exposição "Olhares da Biodiversidade"


Maria Santos, no Dia Mundial do Ambiente, em representação da Lisboa E-Nova, acompanhou o Senhor Vereador Dr. Sá Fernandes na inauguração da Exposição "Olhares da Biodiversidade", que está patente no Espaço Monsanto.
Sobre a exposição pode ler-se no site:
Comemorando-se em 2010 o Ano Internacional da Biodiversidade, a Câmara Municipal de Lisboa propõe-se promover um conjunto de iniciativas que façam chegar a quem vive, trabalha, estuda ou visita a cidade.
Comemorando-se em 2010 o Ano Internacional da Biodiversidade, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) propõe-se promover um conjunto de iniciativas que façam chegar a quem vive, trabalha, estuda ou visita a cidade, os valores de Lisboa neste domínio e o trabalho que tem sido desenvolvido como contributo para a Conservação da Natureza e para a Promoção da Biodiversidade, convidando a uma reflexão geral mais atenta, sobre a importância destas componentes ambientais em contexto de urbanidade.
Foi com este objectivo, que a fotógrafa Maria José Sobral, procurou fazer uma recolha dos cinco animais mais emblemáticos, recuperados no LX CRAS (Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa), instalado no Parque Florestal de Monsanto. Trata-se de dar a conhecer um trabalho sustentado, com mais de 14 anos de investimento em prol da Biodiversidade, traduzido em mais de 7 mil animais acolhidos e tratados em Lisboa.
Convidamo-lo (a) a viajar pelos “Olhares da Biodiversidade”!
O LxCRAS - Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa encontra-se sob gestão da Divisão de Educação e Sensibilização Ambiental (DESA) da Câmara Municipal de Lisboa e está localizado na Espaço Biodiversidade, com uma área que ocupa cerca de 16ha dos 900ha do Parque Florestal de Monsanto. Foi inaugurado oficialmente a 15 de Outubro de 1997, apesar de desempenhar funções desde o início do ano de 1996, como resposta à crescente procura e solicitação por parte dos munícipes de Lisboa quanto à recolha, recepção e recuperação de animais silvestres feridos e/ou debilitados.
Actualmente, este equipamento dedica-se à reabilitação de animais de espécies autóctones, que são entregues quer por particulares quer por diversas outras entidades, essencialmente, serviços da CML, áreas protegidas do ICNB, Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente da Guarda Nacional Republicana - SEPNA, associações de conservação da Natureza e Polícia de Segurança Pública (PSP). Paralelamente, o Centro apresenta-se também como um recurso ao nível da Sensibilização e Educação Ambiental, assim como para investigação científica nas áreas relacionadas, nomeadamente ciências médicas e biológicas.
O QUE FAZER SE ENCONTRAR UM ANIMAL SILVESTRE?
- Avalie a situação com cuidado. Um animal, mesmo debilitado pode causar danos com o bico, garras, dentes ou espinhos.
- Se for possível cubra-o com uma peça de pano de modo a privá-lo da visão. Isso tende a acalmar o animal.
- Coloque-o com cuidado numa caixa, que pode ser de cartão, mas que deve ter orifícios para a circulação de ar.
- Mantenha o animal dentro da caixa num local escuro, calmo e a temperatura adequada.
- Não tente tratar ou alimentar o animal, nem tenha muito contacto com ele.
- Ligue para um Centro de Recuperação para efectuar a entrega e obter informações.
- Caso não consiga, recorra às Autoridades - GNR (SEPNA), Polícia Florestal ou ICNB.
- Saiba que quando faz a entrega de um animal, poderá ter informações sobre o estado da sua recuperação e ainda, se for caso, assistir à sua libertação, ou seja, a devolução ao seu habitat.
QUEM PODE CONTACTAR
LxCRAS – Divisão de Educação e Sensibilização Ambiental - Tel.: 218 170 200
- Divisão de Matas - Polícia Florestal - Tel.: 28 171 100
Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade - Tel.: 213 507 900
GNR/SEPNA - Tel. geral : 213 217 000
Linha SOS Ambiente: 808 200 520
Ou o Centro de Recuperação de fauna mais próximo.
Mais informações:
Câmara Municipal de Lisboa
Direcção Municipal de Ambiente Urbano
Departamento de Ambiente e Espaços Verdes
Divisão de Educação e Sensibilização Ambiental
Espaço Monsanto - Estrada do Barcal, Monte das Perdizes
1500-068 Lisboa
Tel +351 21 817 02 00
Horário Primavera/Verão : Terça a Sexta - 9h30 às 17h00
Sábado - 9h30 às 18h00
Domingo e Feriados - 14h00 às 18h00
Transportes Públicos: 70 (Sete Rios - Espaço Mosanto)